Cinco países mediterrâneos criticam Pacto de Migração e Asilo da Europa - Plataforma Media

Cinco países mediterrâneos criticam Pacto de Migração e Asilo da Europa

Os cinco países que compõem a fronteira mediterrânea da União Europeia consideram que o Pacto de Migração e Asilo da Comissão Europeia é pouco solidário e não prevê a responsabilidade partilhada dos parceiros.

Os ministros do Interior e da Migração da Espanha, Itália, Malta, Chipre e Grécia reuniram-se ontem nos arredores de Atenas para conversar sobre a sua visão comum de como a migração deve ser gerida na União Europeia (UE).

Os cinco países, que partilham experiências muito semelhantes, aprovaram uma declaração conjunta baseada em três pilares: recolocação obrigatória de refugiados em todos os países da UE, regresso centralizado de quem não tem direito de permanência e cooperação com os países de trânsito e origem.

“Devemos garantir uma solidariedade europeia efectiva em relação a todos os migrantes e requerentes de asilo, independentemente da forma como chegaram ao território da UE, tendo em conta a necessidade de estabelecer um mecanismo de recolocação automática e obrigatória”, afirmaram os ministros na declaração de Atenas.

Mais de cinco anos depois de as ilhas e o continente grego se tornarem o destino final na Europa para milhares de refugiados, uma boa parte dos parceiros da comunidade continua a recusar-se a aceitar as quotas de distribuição.

Em Setembro passado, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, apresentou uma compromisso que exclui quotas obrigatórias para a realocação de refugiados e permitir que estes escolham entre o acolhimento, o apoio logístico aos países de chegada dos fluxos ou devoluções patrocinadas.

“As propostas da Comissão Europeia não têm em conta as necessidades dos países mediterrânicos (…). Há um desequilíbrio entre as obrigações dos primeiros países anfitriões e o mecanismo de solidariedade, que também é fraco, lento e não garante igualdade de distribuição de migrantes e refugiados “, sublinhou o ministro grego, Notis Mitarakis.

Leia mais em Jornal de Angola

Artigos relacionados
MundoPolítica

Guerra na Ucrânia causará fome, alerta co-presidente do EuroLat

MundoPolítica

Papa pede que Europa seja tão generosa com africanos como com ucranianos

MundoSociedade

Consumo de droga aumentou durante a pandemia de Covid-19

AngolaEconomia

Angola quer explorar mercados europeu e americano

Assine nossa Newsletter